Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

O fundo Salgado Filho

Publicado: Terça, 09 de Julho de 2019, 16h38 | Última atualização em Terça, 10 de Setembro de 2019, 18h30 | Acessos: 602

Brasil na Segunda Guerra

Com a derrota de Getúlio Vargas, candidato gaúcho de oposição pela Aliança Liberal às eleições de 1930, um movimento político e militar organizou-se para mudar o resultado. Os grupos políticos aglutinados em torno da candidatura derrotada, inconformados com o que consideraram fraude eleitoral, articularam-se em um movimento armado que alçou ao poder uma geração de jovens militares, profissionais de classe média, empresários que a partir de então dividiriam o exercício do poder com as oligarquias rurais há muito instaladas.

Compondo o grupo daqueles que apoiavam e ajudaram a construir o movimento, encontrava-se Joaquim Pedro Salgado Filho. Nascido em Porto Alegre em julho de 1888, o advogado em pouco tempo se tornaria delegado auxiliar e depois chefe da Polícia do Distrito Federal. Em 1932 é nomeado para o Ministrério do Trabalho, Indústria e Comércio de Vargas, cargo que deixa em 1934 para se eleger deputado federal classista – novidade introduzida pela Constituição promulgada naquele mesmo ano -, representando profissionais liberais. Apoiador do golpe de 1937, que instituiu a ditadura do Estado Novo, foi nomeado pelo STM (Superior Tribunal Militar) no ano seguinte.

Durante o tempo que ocupou o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, instituiu as comissões mistas de conciliação entre empregados e empregadores, e regulamentou as condições de trabalho das mulheres, além de instituir a carteira profissional, e significativas alterações no sistema de seguro social nacional.

A diversidade de atividades continuou a marcar sua carreira. Em 1941, assumiu o recém-criado Ministério da Aeronáutica. Salgado Filho foi um articulador fundamental nas negociações entre Brasil e Estados Unidos que levaram o primeiro a participar da Segunda Guerra Mundial, inclusive com o envio de tropas da FAB (Força Aérea Brasileira). Foi também um grande incentivador da aviação comercial no Brasil, apoiando diversos clubes aeronáuticos no país.

Depois da deposição de Vargas, voltaria a política em 1947, quando se elege senador pelo Rio Grande do Sul pelo partido do ex-presidente, o PTB, de quem permaneceu fiel aliado. Ironicamente, uma dos maiores incentivadores da aviação no Brasil morreria em um acidente aéreo em 1950, durante a campanha presidencial na qual Vargas concorria.

O fundo privado Salgado Filho começou a ser constituído em 1971, quando uma primeira parcela da documentação foi doada ao Arquivo Nacional. Em 2007, uma segunda parcela do acervo foi doada, de acordo com o SIAN (Sistema de informação do Arquivo Nacional) “por Maria Luísa Guimarães Salgado, nora do titular, e, desta vez, as informações foram inseridas de forma mais detalhada na relação já existente, que foi revista e digitada em 2011, reformatada em 2012 para divulgação no portal do Arquivo Nacional, com a denominação de instrumento provisório. Este fundo recebeu anteriormente o código AP 49.”

Entre a documentação textual, encontramos grande quantidade de cópias de documentação oficial. Não era incomum, na época, que pessoas públicas guardassem uma das quatro cópias feitas de ofícios e avisos que costumavam ser feitas no âmbito da administração pública. No caso do fundo Salgado Filho, a documentação guardada apresenta valor inestimável para compreendermos as negociações Brasil-Estados Unidos antes e durante a Segunda Guerra Mundial e a participação do Brasil neste conflito, apresentando inclusive correspondência oficial trocada entre o titular e oficiais do exército norte-americano. As pesquisas em torno deste e muitos outros temas podem se beneficiar enormemente do estudo da documentação presente no fundo.

O fundo possui documentação cartográfica relativa ao Brasil e Europa, acerca de tráfego aéreo comercial e movimentação no teatro de guerra. Centenas de fotografias ilustram a vida política do titular e sua atuação como ministro da aeronáutica e grande incentivador da aviação comercial, além de fotografias de soldados brasileiros na Itália.

O fundo, como toda a documentação do Arquivo Nacional, pode ser consultado no SIAN e pelos instrumentos de pesquisas específicos.

Mapa BR AN,RIO R0.0.MAP. 1 Rotas aéreas comerciais no Brasil: linhas em vigor até 15 de março de 1942 / Ministério da Aeronáutica; João C. P. Mello. - [Escala indeterminada]. - [s.l.] : Seção Foto-Mecânica, 22/03/1942. 

Correspondência: BR_ANRIO_R0_CX08_PAC23_DOSS20_ Cartas, (2, 1 cópia) de E. Leitão de Carvalho, general, chefe da delegação brasileira à Comissão Mista Brasil-estados Unidos de Defesa, para Osvaldo Aranha, ministro das Relações Exteriores; Eurico Gaspar Dutra, general, ministro da Guerra agradecendo a confirmação no cargo e enviando, em anexo, correspondência sobre a questão do fornecimento de material bélico ao Brasil, 09/01/1944. (secreto)

Fotos: Combatentes brasileiros da Força Expedicionária. [Itália, 1944]; Salgado Filho em visita a base de treinamento nos Estados Unidos (Embry Riddle School), acompanhado de oficiais do exército daquele país. [1943]

 

Comments powered by CComment

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página