Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Fundo Afonso Pena

Publicado: Quinta, 15 de Outubro de 2020, 16h49 | Última atualização em Quinta, 15 de Outubro de 2020, 16h52 | Acessos: 69

Afonso Augusto Moreira Pena (Santa Bárbara/MG, 1847 - Rio de Janeiro/RJ, 1909) recebeu educação esmerada, tendo sido aluno do curso de humanidades do renomado Colégio do Caraça. Graduou-se pela Faculdade de Direito de São Paulo, onde também se doutorou.  Atuou na política durante o Império e a República, estando à frente de diferentes mandatos parlamentares e cargos no Executivo. Destes últimos, os de maior projeção foram o de vice-presidente da República, entre 1902 e 1906, durante a presidência de Rodrigues Alves; e o de presidente da República, entre 1906 e 1909, eleito pelo Partido Republicano Mineiro.

Doados pela família do titular em 1970, os documentos textuais, ilustrações, gravuras, fotografias, cartões-postais e mapas que compõem o fundo cobrem o intervalo que vai de 1826 a 1909. Subdivididos em 13 séries, abrangem quase todo o período do Império e os anos iniciais da República. Entre seus documentos pessoais, encontram-se boletins escolares, pequenas agendas e o bilhete no. 0001 da Exposição Nacional de 1908, realizada na cidade do  Rio de Janeiro durante seu mandato como presidente da República.

A transição do Império para a República está documentada no fundo em recortes de jornais e na correspondência mantida por Afonso Pena, na qual observa-se sua conhecida resistência ao republicanismo. As reflexões que faz a amigos sobre o assunto podem ser exemplificadas na minuta de carta endereçada a Afonso Celso de Assis Figueiredo. Datada de 5 de julho de 1890, nela Afonso Pena, já experimentado em diversos cargos públicos, externa suas preocupações com o aparente estado de “desordem” durante o período do Governo Provisório[1]. (Imagem abaixo: BR RJANRIO ON.0.COR.13 )

 

As questões que tensionaram as forças políticas nas primeiras décadas da República podem ser entrevistas na documentação presente no fundo. A Revolta da Armada (1893), comandada por Custódio de Melo e deflagrada em virtude da forte oposição recebida pelo governo do presidente Floriano Peixoto, é criticada por Afonso Pena em “Manifesto aos Mineiros”. Publicado no Jornal O Paiz, de 15 de dezembro de 1893, o texto ressalta que o movimento “há longos três meses traz suspensa a vida nacional, causando perdas irreparáveis de vidas, propriedades, dinheiro e crédito.”[2]

Enquanto esteve na presidência da República, Afonso Pena criou as condições financeiras para que Cândido Rondon efetivasse a ligação telegráfica entre o Rio de Janeiro e a Amazônia; e investiu na reestruturação e ampliação de ferrovias e portos, resultando em variados documentos, textuais e iconográficos, como os que tratam da construção da ferrovia Madeira-Mamoré (IMAGEM DE ABERTURA DA MATÉRIA: BR RJANRIO ON.0.FOT.23.7).

Ainda no campo da economia, vão se delineando nos documentos assuntos como empréstimos contraídos no exterior;  acordos com credores, como a Casa Rothschild; e o Convênio de Taubaté, firmado pelos estados de economia cafeicultora de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais e que instituiu política de proteção ao café por meio de empréstimos avalizados pelo governo federal.

Temas como a 2ª. Conferência da Paz, em Haia, da qual o Brasil participou com delegação chefiada por Rui Barbosa; comunicações telegráficas submarinas; definição de limites com países da América do Sul estão igualmente presentes nos documentos . Um exemplo deste último é o telegrama, integrante da série Papéis Oficiais,  enviado pelo Barão do Rio Branco para Afonso Pena informando sobre a aprovação, pela Assembleia Nacional da Colômbia em 16 de maio de 1907, do tratado de limites com o Brasil[3].

Quando estudante da Faculdade de Direito de São Paulo, eram seus colegas nomes como Rui Barbosa, Bias Fortes, Joaquim Nabuco e Rodrigues Alves, com os quais estabeleceu uma rede de relações políticas e de amizade, expressa em cartas, telegramas e minutas de correspondências pacientemente anotadas em seus livros borradores. Esses amigos da época da faculdade igualmente alcançaram postos de destaque na política republicana, como é caso de Rui Barbosa, que presidiu a sessão solene do Congresso Nacional em que Afonso Pena foi empossado Presidente da República e com quem manteve correspondência fraterna e sobre temas políticos.

Estudantes, professores, pesquisadores e interessados nos acontecimentos do período encontram no fundo Afonso Pena uma rica documentação produzida em momentos cruciais da história do país.

 

 

Imagens:

Carta (minuta) de Afonso Augusto Moreira Pena para Afonso Celso de Assis Figueiredo. Santa Bárbara, 5 de julho de 1890.

Fotografia de trabalhadores em meio à floresta durante a construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré. BR RJANRIO ON.0.FOT.23.7

 

Recomendações de leitura:

FAUSTO, Boris. História do Brasil. 14. ed. atual. e ampl. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012. (Didática I).

MOURÃO, Alda; GOMES, Ângela de Castro. (orgs.). A experiência da Primeira República no Brasil e em Portugal. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2014.

 

[1] BR RJANRIO ON.0.COR.13

[2] BR RJANRIO ON.0.JRS.0048, v.02

[3] BR RJANRIO ON.0.POF.35

Comments powered by CComment

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página