Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Conte uma história > O que foi a “política dos governadores” na Primeira República?
Início do conteúdo da página

O que foi a “política dos governadores” na Primeira República?

Publicado: Quarta, 10 de Março de 2021, 14h21 | Última atualização em Quinta, 15 de Abril de 2021, 11h39 | Acessos: 175

 

Com a Proclamação da República, em 1889, teve início também um momento muito conturbado para o Brasil. De um lado, monarquistas ainda se posicionavam contra o novo regime. De outro, conflitos internos pelo poder deixavam o país rachado politicamente. Nos primeiros cinco anos, dois governos militares: Deodoro da Fonseca viu o fracasso de sua política econômica e logo deu lugar a Floriano Peixoto, o “Marechal de Ferro”, que enfrentou a Revolta da Armada e a Revolução Federalista, vencendo ambas e ficando conhecido como o “consolidador” do novo regime.

Em 1894 teve fim a “República da Espada” e o poder foi passado para os civis. Prudente de Morais assumiu, mas um problema persistia: o Brasil estava fragmentado, as disputas se davam nacionalmente entre os estados e localmente em enfrentamentos violentos pelo poder. Não havia estabilidade política. O Poder Moderador e a conciliação, estabelecidas no Segundo Reinado, não havia tido substituição à altura.

A solução foi dada pelo quarto presidente da República, este da nossa foto, Manuel Ferraz de Campos Sales (1898-1902). Um pacto excludente, que refazia a estabilidade entre as elites e criava um modus operandi para a República brasileira: o presidente daria e receberia apoio dos governadores nos estados e dos coronéis nos municípios. Essa rede estabelecida reduziria a força das oposições e garantiria, por boa parte do tempo, os mesmos grupos no poder ao longo de toda a Primeira República. Emerge daí o coronelismo, o clientelismo, o voto de cabresto, as fraudes eleitorais e outras características que estudamos, desde os tempos de escola, sobre esse período da nossa história que vai até 1930.

Porém, é importante lembrar duas coisas: 1) essas práticas não eram infalíveis. Por vezes a oposição conseguia vitórias. Em outras ocasiões, disputas internas dividiam os detentores do poder; 2) além do uso da força, o convencimento também era importante. Por vezes, trabalhadores votaram nos candidatos indicados pelos coronéis em troca de favores, alimentos e benefícios.

Campos Sales foi, portanto, responsável em organizar as diretrizes da política brasileira no novo regime, na República recém-nascida. Diretrizes excludentes que mantiveram uma plutocracia – ou seja, um grupo pequeno de pessoas abastadas – no poder por décadas. O viés autoritário e elitista já dava as cartas, naquela época, à política brasileira. As mesmas famílias, no poder nas províncias desde a época imperial, continuaram a se propagar no comando dos estados. Pais, filhos, netos, se sucedendo no Executivo, Legislativo e Judiciário nas esferas municipal, estadual e federal. Uma continuidade que vemos, em muitos casos, se estender até hoje. Para comprovar, basta uma rápida pesquisa nos sobrenomes que ainda estão, em muitos estados e municípios, liderando a política local e, consequentemente, tendo grande influência nos rumos do país.

Imagem:

Fotografia Manuel Ferraz de Campos Sales, presidente da República. [1898-1902]. Coleção Fotografias Avulsas. BR RJANRIO O2.0.FOT.473

 

Este homem tem relação importante com a chamada “política dos governadores”, ponto fundamental para se compreender a Primeira República. Quem foi ele? O que foi a “política dos governadores”, também conhecida como “política dos estados”? Como ela funcionava? Como era articulada? Nos próximos dias vamos te contar essa história em detalhes! Aguarde!

Comments powered by CComment

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página