Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Uma Surpresa > Milagre econômico brasileiro
Início do conteúdo da página

Milagre econômico brasileiro

Publicado: Quinta, 10 de Março de 2022, 16h20 | Última atualização em Terça, 12 de Abril de 2022, 12h15 | Acessos: 414

No início da década de 1970, o Brasil alcançou índices de crescimento econômico e aumento da produção industrial inéditos no país: a expansão do PIB foi de 9.8% ao ano em 1968 para 12.5% ao ano em 1973 e o aumento real da produção industrial de 1971 a 1973 foi da ordem de 14,3%. Conhecido por “milagre econômico”, o período marcou também o auge da ditadura militar, então sob comando do Presidente-general Emilio Garrastazu Médici. Apontado para o cargo máximo do Executivo nacional por uma junta militar, tomou posse em 1969 e exerceu o cargo até 1974. Embora tenha reaberto o Congresso Nacional e não tenha cassado nenhum mandato ao longo dos seus anos de governo, sua gestão é considerada uma das mais implacáveis da nossa história, com o desaparecimento frequente de opositores, e denúncias de tortura e assassinato.

O espantoso crescimento econômico brasileiro do período ocorreu vinculado ao projeto de desenvolvimento desigual e dependente implantado pelos governos militares. Com o silêncio forçado dos sindicatos, a política salarial ganhou flexibilidade suficiente para impedir que os ganhos da indústria fossem partilhados pelos trabalhadores, impedidos pela ditadura de ampliarem seus direitos e obterem melhorias salariais proporcionais ao crescimento. O papel do Estado (via políticas públicas, financiamento direto, obras públicas de infraestrutura, empresas estatais em pontos estratégicos) mostrou-se crucial, tanto do ponto de vista do planejamento (por exemplo, através dos Planos Nacionais de Desenvolvimento, que estabeleciam diretrizes para a economia e o setor produtivo) como da execução (por exemplo, aumento da oferta de energia para a produção industrial e o consumo direto, através da construção de hidrelétricas), consoante aliás com o modelo de desenvolvimento abraçado pelos governos militares.

Uma nova classe média urbana se expandiu, assim como o mercado de bens de consumo (embora este não fosse usado como motor principal da expansão da produção, ao contrário de outros países com um modelo econômico menos excludente e dependente de capitais externos). Disseminados principalmente pela televisão, novos produtos e modos de viver passaram a integrar os sonhos e o cotidiano de famílias brasileiras em todo o território nacional.

O “milagre econômico” ruiu com a crise do petróleo iniciada em 1973, somada às limitações inerentes ao modelo de desenvolvimento adotado, com baixa preocupação com a poupança interna e elevada dependência externa. Aliás, a crise mundial deflagrada pelo aumento avassalador do petróleo ao longo dos anos 1970 e consequente crise global, acarretando aumento dos juros e dos preços dos insumos importados não só interrompeu o “milagre” como contribuiu para mergulhar o Brasil em uma crise que atingiria seu auge na década seguinte, marcada por hiperinflação e estagnação econômica.

As páginas aqui exibidas integram a edição 618 do semanário O Pasquim, publicado entre 1969 e 1991. As charges fazem referência ao milagre brasileiro, e a primeira tem como figura central o articulador da política econômica da maioria dos governos militares, Delfim Neto. Na segunda, ironiza as dificuldades de uma classe média emergente que mal despontava, enfrentava a crise do petróleo em plena ditadura militar.

BR RJANRIO TT.0.MCP, AVU.12: Dois exemplares completos do jornal "Pasquim" enviados para o Departamento de Polícia Federal: exemplar com fotografia e chamada para entrevista do bailarino Lennie Dale; exemplar de com chamada para entrevista do ex-sargento, participante da guerrilha do Caparaó, Araken Vaz Galvão. Abril e maio de 1981. Divisão de Segurança e Informações do Ministério da Justiça.

Leitura recomendada:

LAGO, Luís Aranha Correia do. “Milagre Econômico” (Verbete). Disponível em: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/milagre-economico-brasileiro

Veloso, F. A., Villela, A., & Giambiagi, F. (2008). Determinantes do" milagre" econômico brasileiro (1968-1973): uma análise empírica. Revista Brasileira de Economia62, 221-246.

 

 

Comments powered by CComment

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página